Semana Santa

0
80
Malhação de Judas no Bancários, em foto de 1956

Devido provavelmente à grande influência da igreja católica junto à população insulana associada ao grande número de portugueses que aqui habitavam, a Semana Santa era um período de grande religiosidade que seguia a liturgia trazida
para cá, principalmente por imigrantes da Península Ibérica.

A Semana Santa iniciava-se com o Domingo de Ramos, ocasião em que, após a missa dominical, eram distribuídos à população ramos de palmeiras que, após a benção do sacerdote, passavam a ser tratados por “palha benta”. Uma parte do material era amarrada no lado interno da porta de entrada, a guisa de proteção, e o restante era acondicionado em alguma gaveta, para ser queimado em caso de grandes tempestades, diziam, para proteger o local contra a queda de raios.

Ainda no Domingo de Ramos, após a chegada em casa, vindo da procissão, com a criançada portando o ramo de palma, as coisas mudavam: nada de gritarias ou rádio com um pouco mais de volume. Palavrões, nem pensar! Aquele que, porventura, dissesse algo um pouco mais inconveniente, tanto teria a certeza de que não iria ser repreendido, como também a de que, após o Domingo de Páscoa, as contas seriam acertadas…

A sexta-feira Santa era envolvida em mistérios… Imagens sacras cobertas com um tecido roxo, todos falando baixo, enquanto o rádio transmitia apenas músicas de cunho religioso. Para as crianças eram proibidas correrias, gritarias
e pronunciar qualquer tipo de ofensa.

No sábado de Aleluia, finalmente, as coisas começavam a mudar: era o dia em que vizinhos e comerciantes recebiam as críticas dos moradores, com bonecos de pano representando o “homenageado”, acompanhado de um cartaz, apelidado de Testamento, no qual estavam relatadas as críticas de seus opositores.

O “Judas” geralmente era colocado em um poste próximo a um estabelecimento comercial, em plena madrugada, lá permanecendo amarrado até o meio-dia, quando começava a receber pauladas e pedradas da criançada, até finalmente ser queimado e malhado, restando apenas um rastro de cinzas.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui