Os grandes pensadores e a nossa vida

0
44

Acredito que todos que nascem ­ e, principalmente, a totalidade daqueles que desde cedo já nasceram em uma condição familiar de uma vida cercada apenas por momentos favoráveis, desde o primeiro dia na maternidade até o dia em que se encontra estrategicamente próximo da morte ­ terão um momento muito especial, que passa a ser um encontro da verdadeira vida que Deus oferece a todos nós.

Eu não seria honesto e nem sincero com todas as minhas centenas de amigos que tenho no mundo, com minha família, com meus filhos, com as mães desses filhos, se fosse tentar, mesmo que de leve, mostrar a qualquer um que não fui um privilegiado nessa vida, onde tudo o que desejei consegui.

Vivi, como muitos outros, uma vida de sucesso, realizações, amizades, desfrutando de ótimas condições financeiras, fantásticos automóveis, viagens maravilhosas, restaurantes inesquecíveis, residências mais do que confortáveis, mulheres lindas, convivência íntima com atletas e artistas, empresários e amigos especiais de classes menos privilegiadas, casamentos que me trouxeram filhos amadíssimos, uma saúde sempre muito boa, acesso a uma educação de ótima qualidade, enfim… mas, logicamente, sofri grandes dores e problemas quase insanáveis, tive também uma infeliz convivência com o mal, não só com o bem.

Tudo isso tendo vindo de uma família de empresários altamente respeitáveis e de ter pautado minha vida sempre defendendo o esporte. Logo depois, uma vida pública como vereador em vários mandatos, líder do governo, Secretário de Esportes e eleito para o Tribunal de Contas do município do rio de Janeiro por unanimidade dos votos daqueles competentes vereadores que me elegeram à época ­ e gostaria de frisar: vereadores da extrema direita, do centro e da extrema esquerda. Isso tudo, fortalecendo a ideia de que a minha vida se mantinha numa trajetória fantástica.

E daí? É isso que quero passar nesse momento para todos vocês… Na semana passada, indo almoçar em um restaurante na Barra da Tijuca, no Village Mall, com um amigo especial, ao descer do meu automóvel, no pátio do estacionamento, em estado totalmente tranquilo, sem nenhuma indisposição, dor ou qualquer tipo de preocupação, após dar o primeiro passo, caí bruscamente para trás, já totalmente sem nenhum sinal de vida, batendo violentamente com a base traseira do crânio no asfalto.

Imóvel, desacordado, fui imediatamente socorrido pelos sistemas de segurança e médico do Village Mall. Aliás, se não fossem os socorristas e Deus, nesse momento eu estaria em outra dimensão.

Vinte e um pontos, duas fraturas de crânio, sangramento e inchaço me levaram a só recobrar a consciência, possivelmente, de cinco a seis horas após ter sido atendido emergencialmente na rede Américas, pelos hospitais Samaritano e Vitória. Lá se encontrava uma equipe altamente competente para resolver o caso. Meu filho Rickson, que é médico, já desde o primeiro momento tomando as providências necessárias para que esse atendimento pudesse ser tão eficiente.

E, agora, a parte mais importante, que é mostrar que tem de existir um Deus em nossas vidas… Vemos tantas pessoas sendo injustas, desleais, covardes, ingratas, falsas e até mesmo desonestas, moral e intelectualmente…que, nesse momento da minha volta à vida, percebi que certamente irão sofrer imensamente por seus posicionamentos na vida que lhes foi dada por Deus.

Sempre fui católico, respeitando todas as religiões, mas acredito totalmente em Nossa Senhora de Fátima como a minha protetora celestial, que, com sua mão em cima de minha cabeça, me trouxe de volta, para poder testemunhar esse fato e alertar a todos vocês que respeitem e nunca duvidem dessa realidade.

Cinco dias depois, já em meu apartamento, no primeiro dia em que nele voltei a dormir, comecei a refletir na realidade de nossas vidas e, não sei por que, durante aproximadamente de 10 a 15 minutos, tive uma crise emocional fortíssima, uma enorme tristeza e medo no coração. Trêmulo e com um choro sem controle, sem tomar nenhum tipo de calmante ou remédio, apenas na companhia de meu filho Cauã, de nove anos, ao meu lado, nervoso, apreensivo e triste, com suas palavras e
carinhos, que me acalmaram, a ponto de dormir, só indo acordar no dia seguinte, às 9 horas da manhã.

Que mensagem foi essa?! O que Deus quis me transmitir com todo esse episódio? Não sei… Entretanto, quando acordei, no dia seguinte, estava tranquilo e me sentia totalmente bem… Talvez preparado fortemente para novos e felizes dias…

Quero também tranquilizar a todos, tenho feito os exames necessários, sido atendido por médicos fantásticos, que me trouxeram a certeza de que eu caminhava numa estrada de volta à saúde plena, como comprovado hoje, nos meus últimos exames.

Agradeço aos meus médicos ­ e, em especial, ao meu filho Rickson ­ e também às centenas de mensagens que recebi de todo o Brasil, de meus amigos sinceros.

Paz e saúde a todos.

José de Moraes Correia Neto
Comodoro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui