Obituário

Todo o Iate chora a morte de Antônio Sá

LUTO

Figura respeitada e querida por todos no Iate, desde sócios, di­retores, conselheiros, o comodoro e funcioná­rios, Antonio Dias de Sá, advogado e contador, Presidente do Conse­lho Fiscal do Iate desde 1991, faleceu em casa, no último dia 29, em consequência da queda de uma escada.

P27F3

Antonio Dias de Sá: sócio do Iate Clube desde 1972

Seu jeito calmo, tran­quilo e muito competen­te conquistou de forma muito especial todos os que com ele conviviam no clube. Entrevista­do pelo Jornal GOLFI­NHO para a seção “Pra­ta na Casa”, confessou ser um pé-de-valsa de carteirinha, admirador das obras de Fernando Pessoa, apreciador de uma boa bacalhoada e de uísque, torcedor da União da Ilha – “vibro mesmo” – e ter como filosofia de vida “procu­rar fazer cada vez mais amigos… e cultivá-los sempre”.

P27F4

Nith de Sá, a esposa e companheira por 49 anos

Além disso, era tor­cedor fervoroso do Vasco da Gama, do qual ga­nhou o título de Grande Benemérito, e elogiou a transparência da gestão de José Moraes à frente do Iate, “transparência essa que é a mola mes­tra da Administração Novos Ventos”.

P27F5

Antonio Carlos de Sá, o filho mais velho, Procurador Geral do Município do Rio

Casado há 49 anos com a baiana Nith de Sá – uma verdadeira revolucionária do bem, sócia sempre preocupada com o progresso do Iate, uma conselheira nata, dando com frequência sugestões ao Comodoro José Moraes -, Antonio de Sá foi ainda sócio da Associação Atlética Por­tuguesa.

P27F6

Na última reunião do Conselho Deliberativo do Iate Clube Jardim Guanabara, em 16 de janeiro, compondo a mesa diretora, os amigos Antonio Dias de Sá, Renaldo Pereira Nunes, José Moraes e Luciano Rodrigues de Souza Filho

Ele conheceu sua es­posa, Nith, que morava no Flamengo, durante uma reunião do Lions Clube da Ilha. O namoro começou a partir desse encontro casual.

Além da viúva Nith, Sá deixou três filhos – Antonio Carlos, Augusto César e Antonio Marcos – e seis ne­tos. Antonio Carlos, inclu­sive, seguiu a carreira do pai – a advocacia – e é hoje, graças à sua reconhecida competência, o Procurador Geral do Município, talvez o mais jovem profissional a ocupar esse cargo. Sério, capaz e compenetrado, proporciona uma grande tranquilidade à adminis­tração pública do Rio de Janeiro.

Figuras de proa do Iate lamentam a perda

JOSÉ MORAES

Muito abalado, o Comodoro José Moraes decla­rou que “o Sá foi daqueles homens que não nascem mais. Ele era extremamente educado, amigo de todas as horas, de uma fidelidade e lealdade fora do comum, uma capacidade de trabalho enorme… ele foi sempre um esteio para a tranquilidade do nosso Conselho Fiscal”:

— Eu e toda minha família, como também os seus múl­tiplos amigos do Iate, esta­mos sentindo e vamos sentir por muito tempo saudades daquele que estava sempre pronto a atender os amigos. Atento e responsável na pre­sidência do Conselho Fiscal, era unanimidade entre todos os conselheiros, beneméri­tos e diretores do clube. Às vezes eu até me questiono como pode, um homem com tantas qualidades, levar uma queda do primeiro para o segundo andar da sua casa e, em poucos minutos, estar morto. Não nos acostuma­mos nunca com essas peças que a vida nos prega. Mas temos certeza de que, se na verdade existirem outras vidas, Deus terá reservado para ele um lugar muito especial.

O Comodoro disse ainda que ficou muito sensibiliza­do por ter encontrado, no enterro de Sá, os amigos Renaldo Pereira Nunes e Luciano Rodrigues de Sou­za Filho (que também de­ram declarações ao Jornal GOLFINHO) e a contadora do Iate, Ana Cristina ……, e sua filha Catherine, que representavam, ali, as cen­tenas de nossos sócios, o que demonstra cabalmente como ele era querido.

RENALDO PEREIRA NUNES

Até muito recentemente Presidente do Conselho De­liberativo, Renaldo conviveu por longos anos com Sá:

— Ele foi um bom com­panheiro durantes os mais de 20 anos em que presidiu o Conselho Fiscal. Sempre colaborou, irrestritamente, com o clube e a adminis­tração. Grande Benemérito também do Vasco da Gama, trouxe a sua vasta experi­ência, bastante rica, para o Iate. Sempre nos lembra­remos com saudades dele.

LUCIANO RODRIGUES DE SOUZA FILHO

Presidente do Conselho Deliberativo, Luciano disse que conheceu Antonio Sá desde o início do clube e que ele era “dedicado, leal, competente, capaz, além de ter um grande espírito de colaboração”.

— Ele deixará muitas saudades, pois era um ver­dadeiro amigo, além de ser meu irmão maçom.

Os comentários estão encerrados.