Capa

Respeito e humanidade

A P DO C

Falei com o Fábio Assunção apenas uma vez, quando o conheci na casa de um amigo. Cordial e simpático, demonstrava uma gran­de alegria em viver “aquele momento”… Estava longe das drogas.

Vendo o Face, encontrei um texto, “Vergonha do que fizeram com o Fábio Assunção”, de Fabrício Carpinejar. Fiquei sensibilizado por ver ainda, no mundo, pessoas que pensam com tanto senso de humanidade como o Fabrício. Portanto, quero transcrever o seu texto e desejar ao Fábio que Deus possa ajudá-lo a sair vencedor desse inferno que são as drogas.

“Fiquei chocado com os vídeos do ator Fábio Assunção estirado no chão e preso em viatura em Arcoverde (PE) na madrugada desse sábado (24/6). Pasmo não por aquilo que ele fez, fora de si, mas pelo deboche de todos à volta, sóbrios e serenos, com cons­ciência para ajudar e que não demonstraram nenhum interesse para socorrer e amparar alguém claramente necessitado e com dificuldades de se manter em pé e articular um raciocínio lógico. Em vez de ajudar, ridicularizavam o profissional em uma fase difícil da vida e apenas aumentavam a sua agressividade. Quem aqui já não bebeu além da conta e falou bobagem? Atiçar um bêbado é armar um circo de horrores, é se divertir com o sofrimento alheio, é renunciar à educação pelo bullying anônimo e selvagem de massa.

Onde está a compaixão do país? O que identifico é que torcemos pela queda de nossos heróis, pelo fim de exemplos. Odiamos silencio­samente aquele que alcança o sucesso. E permanecemos à espreita, como urubus com as asas dos aplicativos, para flagrar um tombo, uma gafe, um vexame da celebridade e espalhar pelos céus turvos da web.

Talvez, infelizmente, desejamos que todo grande artista, como é Fábio Assunção, beije a lona para arrancarmos memes dos bolsos e ganhar notoriedade com gravações caseiras.

Somos cada vez menos afetuosos e mais paparazzi das tragédias individuais. Não sabemos confortar com a nossa mortalidade quem é também humano, erra, falha e recomeça com a humildade do perdão.

Não vou julgar e tampouco mergulhar em achismos, se ele estava sob efeito de drogas ou não, o que acontecia em sua vida privada para gerar tal descontrole (e, óbvio, que deve ser penalizado por tudo o que cometeu contra a lei, sem distinção).

Mas quem teve um familiar transtornado ou viciado sabe que ele é também uma vítima e que o cuidado e a discrição são os únicos curativos possíveis para não aumentar a vergonha e as recaídas. Expor alguém em situação delicada é ser cúmplice de vandalismo psicológico. Todo celular hoje é uma arma de fogo.

O que lamento é que aquele ator, sempre solícito para selfies e autógrafos, sempre disposto a conversar com qualquer um, não foi carregado pelo público quando realmente esperava. A fama é ingra­ta, mas triste mesmo é que não procuramos salvar mais a nossa cordialidade.”

 

JOSÉ MORAES

Comodoro

Os comentários estão encerrados.