A Palavra do Comodoro

Que nossas crianças possam continuar a ser apenas isso: crianças

Palavra do Comodoro

Crianças… Aproxima-se o dia delas, 12 de outubro. Sou pai de 9 filhos – sete homens e duas mulheres – e avô de quatro netos. Em toda minha vida, dediquei um carinho especial a esses pequeninos seres, que sempre nos surpreendem com suas tiradas, franqueza, inventividade, fidelidade e pureza. Quem, de nós, não tem uma história sensacional para contar da infância de seus filhos ou netos?

Eu mesmo fui uma criança muito feliz, levada e interessada em tudo, com aquela curiosidade natural dos pequenos. Recebi muito amor de meus pais e avós, convivi com muita felicidade com meus irmãos, primos e amigos.

Quando me elegi Comodoro do Iate, dediquei uma preocupação especial à infância e juventude, proporcionando-lhes inúmeras opções de modalidades esportivas, pois quem pratica esportes dificilmente, mas muito dificilmente mesmo, entrará no descaminho das drogas. Ao ser nomeado Secretário Municipal de Esportes e Lazer, criei o programa Criança do Futuro, disseminando em diversas regiões do Rio de Janeiro condições para que crianças e jovens carentes igualmente tivessem a oportunidade de, através do esporte, formar um bom caráter, aprendendo a respeitar, a se fazer respeitar, a saber vencer e a saber perder.

Ao se aproximar o Dia das Crianças, não posso deixar de comentar dois episódios recentes, que chocaram sobremaneira a sociedade brasileira como um todo: entre os mais pobres e os mais ricos, entre os mais e menos instruídos, entre os mais conservadores e os mais liberais. Refi­ro-me, é claro, às duas exposições ocorridas em museus brasileiros, em Porto Alegre e em São Paulo, no MAM.

Vou logo esclarecendo que não sou moralista e nem fiscal da vida dos outros, mas, de maneira alguma, posso concordar com a covardia a que foram submetidas, em ambas as cidades, inúmeras crianças. Não, não sou especialista em arte, mas posso afirmar, com todas as letras, que arte não é submeter crianças a criações anormais, no campo da pornografia, pedofilia, zoofilia, vilipêndio às religiões. Arte não é tampouco fazer uma criança ter contato com o corpo de um homem nu, sob nenhuma desculpa ou explicação.

Aliás, recomendo a vocês procurarem na internet a excelente pos­tagem do jornalista Alexandre Garcia sobre a nefasta Ideologia de Gênero, na qual ele divulga a posição a respeito da Associação Nor­te-Americana de Pediatria. O apelo que faço, diante disso, é que as autoridades competentes ajam legalmente e com rigor, no sentido de punir os responsáveis por tais barbaridades, que enojam as pessoas de bem.

Vou até mudar de assunto. Um feliz Dia das Crianças para todos esses seres humanos maravilhosos, que são o futuro do Brasil.

JOSÉ MORAES

Comodoro

Os comentários estão encerrados.