Foco na Ilha

Flexeiras: o clube de Nilton Santos e Brito

foco-na-ilha-capa

A Ilha do Governador possui mui­tos patrimônios, como igrejas e as pal­meiras imperais, que foram tombadas atendendo à lei do Vereador Eduardão, que também mora no bairro. Quero ter a oportunidade de escrever sobre todos eles, suas histórias, lendas e seu atual estado de preservação.

Nesse mês, nosso “Foco” será so­bre um patrimônio pouco conhecido da nova geração, mas os que conhe­cem valorizam cada ano de existên­cia desse clube insulano quase cen­tenário. Um clube que deveria ser tombado como patrimônio da Cidade por sua história de contribuição ao fu­tebol carioca, brasileiro e, porque não dizer, ao futebol mundial?

Tubiacanga inspirou a novela “Fera Ferida” e também grandes atletas do futebol, que se sagraram campeões mundiais, como a “enciclopédia” Nil­ton Santos e também o ídolo Hércules Brito Ruas, mais conhecido no mundo da bola como Brito.

Vocês sabiam que em Tubiacanga possui um clube que, no próximo dia 7 de setembro fará 98 anos? O Flexei­ras Atlético Clube é uma agremiação esportiva que foi fundada em 1918.

O Flexeiras foi o primeiro clube de duas lendas: o saudoso lateral esquerdo Nilton Santos (bicampeão mundial em 1958 e 1962), conside­rado o maior lateral esquerdo de toda história, e o zagueiro Brito (campeão mundial em 1970), eleito o melhor preparo físico daquela copa.

O clube, que até hoje é um dos grandes orgulhos dos moradores de Tubiacanga, sempre recebe o cra­que Brito, patrimônio vivo da Ilha e que tem muito orgulho da sua ori­gem. Alguns parentes e amigos de Nilton Santos ainda moram em Ita­colomi e Tubiacanga. Com frequên­cia eles visitam e passam as tardes no Flexeiras jogando sueca, feste­jando e relembrando aquela época. Tubiacanga é um bairro humilde, mas privilegiado, com uma gente de primeira que possui muita histó­ria para contar sobre a Ilha.

Tem uma natureza estonteante e é repleto de árvores, campos de futebol, pista de motocross, academia popular e lugares peculiares como a Capitania dos Copos e o Bar do Odylon, ambos de frente para o mar. O bar Cura Ressaca também é bastante popular e todos são fre­quentados por gente de todo o Rio.

Mesmo com a poluição de suas praias – por se localizar no fundo da Baía de Guanabara –, Tubiacanga não perdeu a sua beleza. Continua com seu jeito, cheiro e estilo de vida do interior. Hoje, o amado clube tubiacanguense é presidido e muito bem administrado pelo gran­de amigo Waldecy de Oliveira Du­tra, o “Didi”.

O clube possui um bar, uma chur­rasqueira, salão de festa e sempre abre suas portas para a comunidade e projetos sociais que lá acontecem. Atualmente, o campo do Flexeiras está recebendo os treinos das cate­gorias de base da Portuguesa. A his­tória do futebol passou e ainda passa por Tubiacanga, terra familiar insula­na que tanto me encanta.

O Fleixeiras segue fazendo história, um patrimônio que deve ser reconhe­cido e sua memória preservada. Pa­rabéns a todos que fazem parte da história desse clube, que tenho orgu­lho em poder frequentar, ter amigos e vivenciar de perto essa parte impor­tante na nossa história.

flexeiras

Os comentários estão encerrados.