Foco na Ilha

A Ilha no fórum dos Brics

Nova imagem

A convite do governo chinês, fui recentemente escolhida para ser uma das cinco delegadas do Brasil no Fórum dos BRICS, que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O evento aconteceu em junho e eu representei organiza­ções sociais que atuam em nosso país.

Através da Associação de Mulheres da Ilha do Governador (Amuig), onde sou Vice-Presidente Executiva, atuei como um “think-thank”. No evento, discutirmos as dificuldades locais e oferecemos nossa visão e propusemos algumas soluções para os problemas sociais do país e das nossas comunidades carentes.

A oportunidade foi ímpar, pois tive a honra de representar o Rio de Janeiro e, em especial, a Ilha, principalmente nossas comunidades neste importante fórum, que durou três dias e acon­teceu na histórica cidade de Fuzhou.

No meu discurso, que foi acompanhado por centenas de delegados de representantes dos BRICS, falei sobre minha história de vida, a comunidade onde nasci (Praia da Rosa) e o nosso bairro como uma referência.

Por experiência própria, falei que, para haver a verdadeira integração que buscamos entre os países membros dos BRICS, precisamos ir além do contato comercial e partimos para o contato social, que somente será feito com investimentos no esporte, cultura e educação. Só assim vamos atingir a classe mais pobre destes países.

Como exemplo concreto de ação afirmativa que citei no Rio, a China, em breve, vai cons­truir uma grande escola trilíngue (inclusive com mandarim), onde 20% das vagas serão destinadas a crianças e jovens carentes. Em uma de minhas falas, pedi que os outros países membros do BRICS seguissem esse exemplo, pois os jovens são o futuro das nossas nações e só precisam de mais investimentos e oportuni­dades, além de conhecer a cultura dos diversos países membros.

Ao ver no olhar de todos e em seus aplausos que eles ficaram bastante emocionados com meu discurso e experiência em trabalhos em comunidades pobres, não contive minha emo­ção. Estou bastante feliz em sair de uma favela para representar nosso povo, que é o povo das nossas comunidades, em especial os jovens neste importante fórum internacional.

Ao longo dessa missão na China, que durou 10 dias, tive a oportunidade de, através do gover­no local, também visitar o Partido Comunista Chinês e conhecer o sistema de educação, além de projetos de erradicação da pobreza na pro­víncia de Xian. Observei o processo político e social que transformou esse país na segunda maior economia do planeta que, pelo cresci­mento, em breve, chegará à liderança.

Sou uma prova viva de que os jovens carentes só precisam de oportunidades. Por isso busquei focar o máximo possível neste aspecto no Fó­rum dos BRICS, pois sabia que cada minuto ali vivido seria transformador não só para mim, mas para todos aqueles presentes. Volto com a mala cheia de projetos e o coração repleto de sonhos pela experiência que vivi internacional, positiva e culturalmente.

P26F1

Os comentários estão encerrados.